17 de Outubro de 2008

Ariane em Naxos - a chave de um poema de Sophia

Ariane em Naxos

Tu Teseu que abandonadas amadas
Junto de um mar inteiramente azul
Invocavam deixadas
No deserto fulgor de Junho e Sul

Junto de um mar azul de rochas negras
Porém Dionysos sacudiu
Seus cabelos azuis sobre os rochedos
Dionysos pantera surgiu

E pelo Deus tocado renasceu
Todo o fulgor de antigas primaveras
Onde serei ou fui por fim ser eu
Em ti que dilaceras

Sophia de Mello Breyner, Dual

Conta-nos Giorgio Colli, em La Nascita della Filosofia, que é cinco séculos antes de o culto de Apolo ser introduzido em Delfos, pouco depois da metade do segundo milénio a.C., «nesse lendário mundo minóico-micénico alargado a Creta», que se origina o culto a Dioniso: um Dioniso ainda cretense.

O mais antigo mito grego é precisamente cretense, o mito do Minotauro. Nele encontramos pela primeira vez Ariana, filha de Minos e Pasífae, o primeiro rei de Creta. Ariana é a única figura feminina em toda a mitologia grega que se apresenta directamente ligada a Dioniso. Diz Hesíodo: «Dioniso de cabelos de ouro fez sua esposa florida a loura Ariana, filha de Minos, que o Crónida tornou imortal e sem velhice».

Dioniso permanecerá ligado ao todo das mulheres, mas nunca a nenhuma em particular, com excepção de Ariana. Mas a mulher feita «imortal e sem velhice» pelo Crónida não é, assim, uma mulher qualquer, mas uma mulher-deusa. Veremos que nesta dualidade de Ariana, como se vê por via de regra na mitologia grega, há uma polarização de carácter antagónico das duas dimensões, humana e divina.

O matrimónio entre Dioniso e Ariana é tudo menos pacífico. Diz Homero: «E vi a filha de Minos insidioso, a bela Ariana, que outrora Teseu trouxe de Creta para a alta rocha de Atenas protegida pelos deuses, mas dela não fruiu: Ártemis matou-a primeiro, por testemunho de Dioniso, em Dia [Naxos] rodeada pelo fluxo marinho.»

Segundo a versão mais antiga do mito, apoiada tanto pelo testemunho de Hesíodo como pelo de Homero, Ariana abandona Dioniso por amor de Teseu, o que implica a opção por uma vida humana em detrimento de uma vida divina. Neste momento da narrativa mitológica há um claro triunfo da dimensão humana sobre a dimensão divina, o homem sobrepõe-se ao deus.

Mas, no fim, Dioniso prevalece já que é a sua acusação que guia a punição de Ártemis: Ariana é morta como mulher, por Ártemis, nunca chegando a ser possuída por Teseu, e é condenada a viver como deusa. Numa versão mais recente do mito, de que nos fala Sophia, Ariana é abandonada, paradoxalmente, por um Teseu precocemente cansado dela, na ilha de Naxos.

Em qualquer versão do mito o facto é que o triunfo do homem sobre o deus é breve. O deus rompe imediatamente com toda a presunção de uma continuidade humana em Ariana. Dissolvida essa sua ilusão humana, e tornada novamente «imortal e sem velhice», Ariana é restituída ao deus-animal (na soberba expressão de Sophia, o «Dionysos pantera») que, assim, permanece como vencedor sobre qualquer pretensão humana.


5 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
O Gigante Egoísta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
O Gigante Egoísta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.